Pastor optou por permanecer na Síria devastada pela guerra para mostrar o amor de Jesus



Para o pastor sírio George Moushi, permanecer em seu país mesmo após a devastação causada pela guerra passou a ser uma opção para mostrar o amor de Jesus através do apoio às pessoas nos tempos difíceis. Moushi é da Igreja da Aliança em Qamishli e decidiu ficar quando a gerra civil estourou em seu país.

Sua cidade natal acabou alvejada por bombardeios do ditador Bashar al-Assad, mas o pastor permanece no país e afirma que decidiu não fugir por causa do seu povo. Diz ter decidido ficar pois queria tornar o amor de Deus evidente, ajudando as pessoas em sua comunidade.

Cerca de um milhão de cristãos fugiram da Síria desde o início da crise. “Pessoas foram mortas, feridas, casas e lojas destruídas”, disse o pastor George. “Quando os turcos entraram na Síria, havia muito medo. Naquela época, muitas famílias tinham medo de mandar seus filhos para a escola”, continuou.
Síria devastada

A destruição causada pelo conflito no país através das bombas lançadas contra os civis, levou o pastor a questionar se sua decisão de ficar estava certa ou não. Ele conta que orou com sua igreja, pedindo sabedoria para Deus, a fim de não errar em suas decisões.

“Oramos e depois disso, eles foram convidados a dizer o que queriam, cerca de sessenta por cento queriam ficar”, disse segundo o Christian Today.

Enquanto alguns membros, que decidiram ir embora, receberam apoio do pastor George, como comida e segurança, ele preferiu continuar ali. No entanto, 60% dos membros da sua igreja preferiram ficar com o pastor.

“Queria apoiar os dois grupos, os que ficaram e os que partiram. Mas, para mim, eu não queria ir embora se ainda houvesse um membro da igreja em Qamishli”, conta.
Fé em Deus

Ainda que sua situação seja bastante difícil, o pastor George mantém sua fé em Deus, relatando que tem visto a mão dEle à medida que mais pessoas vêm a Cristo em meio a grave crise.

“Deus não nos deixou”, disse o pastor George. “Muitas pessoas aceitaram a Cristo e foram acrescentadas à igreja. Embora a guerra fosse tão terrível, Deus transformou cinzas em beleza, muitas pessoas vieram a Cristo”, continuou.

Ele promete que a Igreja da Aliança continuará a oferecer apoio e mostrar o amor de Jesus à nação atingida pela guerra.

“Nossa igreja viu que agora era o momento de apoiar as pessoas, apoiá-las e mostrar o amor de Jesus em tempos difíceis. A necessidade não é apenas material. Muitas pessoas estão cansadas e com medo, então orei com elas”, concluiu.

Outras Notícias

Homem que planejava matar Billy Graham se entregou a Jesus ao ouvir pregação

Um homem australiano chamado George Palmer, contou como seu ódio contra Deus o levou a planejar o assassinato do ...

O tipo de ministro “terrivelmente evangélico” que almejamos para o STF

Os evangélicos aguardam, ansiosamente, pelo nome “terrivelmente evangélico” a ser indicado pelo presidente da Rep...